sexta-feira, 24 de abril de 2009

Enfim chegou o grande dia: Lucca acaba de receber alta médica!

No céu, um dia feio, frio, chuvoso.
No coração, uma ansiedade sem tamanho.
No relógio, 1h12 da tarde.

Pode parecer exagero o que vou dizer mas aquele exato momento vai ficar marcado prá sempre na minha cabeça. Porque foi quando ouvimos do Dr Nelson Hamerschlak uma frase pela qual esperamos tanto: "Lucca, pode arrumar suas coisas. Você já pode ir prá casa".

Era a confirmação de uma previsão que vinhamos acompanhando ansiosamente desde o início da semana, depois da 'pega medular', quando a Dra Juliana Folloni Fernandes, em suas visitas diárias, passou a comentar sobre a possibilidade de que a alta médica ocorresse em breve.

Primeiro foram os aumentos seguidos dos leucócitos e, principalmente, dos neutrófilos. Depois, a descontinuação de alguns medicamentos, seguida da substituição dos demais para administração via oral. Exames que permaneciam trazendo resultados satisfatórios e um quadro geral de saúde do Lucca bastante dentro do esperado.

Hoje completariam as primeiras 24 horas do Lucca sem tomar o Granulokine®, ou seja, sem o medicamento que vinha sendo utilizado desde logo após o transplante para incentivar o organismo do Lucca a produzir seus glóbulos brancos de defesa novamente. Se o cenário permanecesse satisfatório, a probabilidade de a alta ocorrer neste sexta-feira era grande.

Quando acordei e recebi o resultado do hemograma de hoje, que trouxe uma baixa de 1900/mm3 leucócitos comparando-se com os números de ontem, nossa, foi como um banho de água fria. Por mais que, racionalmente, eu soubesse que aquele era um quadro dentro dos limites da normalidade.

Mas havia a possibilidade da alta....
No que isso poderia interferir?
O quão seguro era sair do hospital com esse total de células?

A despeito de tudo isso, prevaleceu o bom índice de neutrófilos, a boa resposta do Lucca aos tratamentos orais propostos, a ausência de infecções e/ou inflamações. E a alta foi confirmada!

Empacotar as coisas e arrumar as malas nunca foi uma atividade tão prazerosa. Naqueles minutos, minha vida inteira voltou como se num filme..... À medida que a gente se preparava prá deixar o quarto 653 da unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein, revivi cada passo, cada angústia, cada medo, cada emoção, cada fragilidade, cada abraço físico ou virtual que recebi de tanta gente bacana nesses últimos meses....

Na verdade, eu mal acreditava que, em poucos minutos, eu sairia de lá, exatos 46 dias desde a internação, de mãos dadas com meu filhote...

Vê-lo saindo do quarto, caminhando firme e doce por aqueles corredores, como se levitasse. Tê-lo vivo, saudável. Assisti-lo em perfeita recuperação, com 92% já de células da doadora em seu sangue (quase o quimerismo total! -- leiam também post Lucca já tem uma grande maioria de células de sua doadora no sangue)

Dar-se conta de que está muito perto de completar 9 meses desde que recebi aquele terrível diagnóstico da doença dele. E que, pela competência dos médicos e enfermeiros, por Deus, e pelo milagre da vida, Lucca se vestia para cruzar aquelas portas com direção à nossa casa SEM sintomas da adrenoleucodistrofia.....

Meu peito apertou de um jeito que não sei explicar. Aquele misto de sentimentos voltou à tona. O choro correu solto. Um pouquinho foi por uma angústia natural de trazê-lo de volta pro mundo dos bichinhos, vírus e bactérias (que ele não pode contrair ainda, de jeito algum).... Mas a razão principal era a felicidade indescritível que eu estava sentindo naquele momento. Meu Cucca estava como nunca de volta à vida. E sair com ele de lá não marca só o novo nascimento dele. Mas o meu também.... Uma renovação de alma, de esperança, de vistas ao futuro!

Sabemos que há muita estrada pela frente e um caminho ainda longo pra percorrermos. Nesse início, teremos de voltar ao Einstein dia-sim-dia-não praticamente, para exames de acompanhamento, eventual transfusão de plaquetas, troca semanal do curativo no peito por conta do catéter etc.

A ocorrência de fatores que exijam uma reinternação não está de todo descartada mas, como Dr Nelson brinca, "seriam fazer alguns ajustes dos motores e recauchutagem dos pneus" -- tudo dentro do esperado.

A luta continua! Por hora, é retomar a vida e a normalidade aos poucos.

Pro Lucca, atenção máxima a todos os procedimentos a serem seguidos pós-alta, cuidados quintuplicados quanto à higiene, com controlado contato com pessoas, e sem exposição a vírus, fungos e bactérias. Escola, só no segundo semestre, mas reencontrar os amigos pode (e lhe fará muito bem) ocorrer antes. É enfim voltar à alegria e à vivacidade do dia 8/3, véspera da internação.

Para mim, ah... pra mim.... é poder parar, sentar uns minutos que seja. Respirar e suspirar fundo... Voltar, mas lá atrás, no dia 1 de agosto de 2008... Resgatar um pouco do dos sorrisos perdidos, do sono perdido, dos choros doídos, da alma apertada. É olhar prá trás e agradecer mais um milhão de vezes por todos que estiveram comigo, de perto ou de longe, mas que nao me abandonaram um só segundo. Agradecer cada palavra, cada gesto, cada beijo, cada colo, cada riso sorrido comigo, cada lágrima chorada também. Agradecer por todas as oportunidades que se abriram. À moksha8 e a Omint em especial. Agradecer a toda a equipe do Einstein, e de novo ao Dr Fernando Kok, Dr. Durval Damiani, Dra Ana Maria Martins.

Agradecer a todos os parentes que se preocuparam e rezaram pelo Lucca. Agradecer à minha família. Agradecer ao Marccão e a Lellinha -- meus filhotes, vocês foram e vocês são 10, são 1000, são show de bola! Vocês dão sentido à minha vida.

Agradecer a Deus por tudo. E agradecer ao Lucca: Filho, a mamãe já te disse isso, só de ontem pra hoje, pelo menos umas 15 vezes. Lá vai a décima-sexta... Aprendo coisas novas com você e com seus irmãos desde que vocês nasceram. Mas, nesses últimos 45 dias, você me ensinou algo mais. Me ensinou muito. Me ensinou tudo. Você me recarregou com a sua força, com a sua garra, com a sua doçura e até com seu mal humor rs.... Eu estou muito feliz por você, por essa conquista importante à beça, que é sua! Tenho um orgulho danado de ser sua mãe! Te amo mais do que o universo. Na verdade, nem mais o universo tem tamanho suficiente pra representar o quanto eu amo você, Cucca!

3 comentários:

Mário R. disse...

Meu anjo, como foi duro prá mim ler essa novidade tão de longe. Essa reunião aqui do outro lado do mundo que não termina... Minha vontade era correr prá aí. Nossa, como eu queria estar pertinho agora, pra te dar um abraço muito apertado, pra comemorar junto, pra dizer olhando no teu olho o quanto eu me rendo à sua força, sua coragem, sua determinação, tudo isso embalado numa meiguice e numa sensibilidade que são só suas.
Ok que ainda haja barreiras a ultrapassar daqui prá frente, mas essa é sem dúvida uma graaaande vitória, Lu! É a prova de que tudo JÁ ESTÁ DANDO CERTO! (Lembra dessa frase??).
Vocês merecem demais isso e um montão de outras coisas lindas, gostosas. Vou te admirar, te gostar prá sempre, pelo ser humano que você é!
Um beijo muito muito cheio de carinho em vc, no Lucca, e no Marcco e na Marcella -- que vc disse bem: não são desse mundo de tão especiais que são!
Saudades..............

Pity disse...

Lu, que notícia maravilhosa! Que emoção! Imagino a euforia da vcs, do Marcco e da Lella (ah Lu, como ela é doce e meiga!!!), da família toda enfim. Parabens, vcs são vitoriosos, o Lucca principalmente!
Um grande beijo no coração de vcs! :)

Cristiane disse...

Amigaaaaaaaa, Amém! Que alegria, Luuuu! Deus é maravilhoso! Bj enorme em vc e no Lucca... Estamos muito felizes! Bj, Cris, Lu, Giu e Rafa