domingo, 9 de setembro de 2012

Epilepsia – Você sabe o que é?

Hoje, dia 9/9, comemora-se o Dia Nacional de Combate à Epilepsia, doença neurológica crônica ou não, considerada a mais antiga da qual se tem registro. A falta de conhecimento da população sobre esta doença sempre a cercou por mitos, crenças e preconceitos, o que dificulta que seus portadores sejam socialmente incluídos. 
 
Com prevalência de 1 a 2% da população brasileira, a Epilepsia é caracterizada por um “descompasso” elétrico nos circuitos cerebrais. Quando queremos mexer uma parte do corpo, como a mão, por exemplo, enviamos uma ordem para o nosso cérebro, que dispara um impulso nervoso. Até chegar na mão, esse impulso viaja pelas ramificações dos neurônios e passará também por estações em que os impulsos dependem de transporte químico (sinapses) para que a informação chegue enfim aos músculos da mão.

Tudo isso acontece quando resolvemos mexer a mão voluntariamente. Imagine agora um grupo de neurônios que resolve disparar esses mesmos impulsos “sem a nossa autorização”, provocando movimentos involuntários das mãos. É isso que acontece com os epilépticos.

“Podemos dizer que uma pessoa sobre de epilepsia quando já apresentou mais de uma crise epiléptica não provocada por períodos indeterminados, ou seja, pode ser uma vez ao mês, uma vez ao ano, todo dia. Ouvir o histórico do paciente e o relato das pessoas que presenciaram a crise também ajuda a determinar o diagnóstico. Além disso, é preciso certificar-se de que não existe nenhum fator precipitante da crise, seja tóxico, seja provocado por alguma outra doença”, explica o neurologista dr. Adriano Campos Vieira, da Santa Casa de Juiz de Fora.

“A Epilepsia pode levar a repercussões sociais dificultando nas relações interpessoais, na inclusão escolar, na conquista e manutenção de um emprego. Estas dificuldades podem acarretar problemas psicológicos como a estigmatização, além de desajustes emocionais como: transtorno de humor, depressivo, entre outros”, completa o especialista.

Com tratamento medicamentoso adequado a necessidade do paciente, 90% deles conseguem se livrar dos acessos epiléticos. Isso significa poder desenvolver suas atividades cotidianas normalmente com a redução ou controle das crises.

O tratamento para epilepsia é fornecido pelo Ministério da Saúde ou pela Unidade Básica de Saúde. As indústrias de genéricos, também, oferecem opções mais acessíveis para este tipo de tratamento, como é o caso da Sandoz que possui seis das 15 principais moléculas para o tratamento de doenças do Sistema Nervoso Central do mercado. “Além disso, é importante manter o acompanhamento médico regular para controle”, conclui o especialista.

Fonte: Sandoz / InPress

Um comentário:

Kadu Santos disse...

Amei a Matéria... Sempre bom compartilhar informações!n